Doencas - Oftalmologia - Hope

Doenças

Doenças

Doenças oculares podem ter diversos níveis de gravidade. Quando não tratadas a tempo podem causar danos irreversíveis. Confira algumas das principais doenças:

  • Estrabismo

    O que é?

    O estrabismo acontece quando há perda do paralelismo entre os olhos. Os estrábicos podem apresentar desvios convergentes (desvio para dentro), divergentes (desvio para fora) ou verticais (um olho fica mais alto ou mais baixo do que o outro). O problema pode se apresentar constante, intermitente ou latente. O primeiro tipo acontece quando o desvio dos olhos é permanentemente observado. Neste caso, os desvios podem ser monoculares (quando é sempre o mesmo olho que desvia) ou alternante (quando os olhos alternam-se no desvio). A forma intermitente é quando os olhos ora estão alinhados ora desviados. A latente só é verificada quando os pacientes estão cansados ou durante a realização de testes em exames de motilidade ocular.

    Sintomas e Causas

    Os sintomas decorrentes do estrabismo variam de acordo com a idade em que aparecem e com a maneira com que se manifesta. Os estrabismos surgidos antes dos seis anos de idade, por exemplo, não causam visão dupla.
    Nestes casos, se o desvio aparece sempre no mesmo olho (estrabismo monocular), o que acontece é a diminuição da visão (ambliopia, ou olho preguiçoso) do olho desviado. Em qualquer idade, pacientes com estrabismos latentes apresentam queixas de cefaleia (dor de cabeça) devido ao esforço realizado para manter os olhos alinhados. Outra consequência é o chamado torcicolo ocular já que para usar melhor os dois olhos a criança costuma girar ou inclinar a cabeça para posições mais confortáveis, que neutralizam o desvio. Seja qual for o caso, o ideal é que o tratamento do estrabismo seja feito durante a infância já que é neste período que as estruturas oculares estão se desenvolvendo.

    Tratamento

    O tratamento do estrabismo pode ser feito utilizando diferentes métodos clínicos, cirúrgicos, exercícios ortópticos ou medicamentoso depen-dendo de cada tipo. Quando o estrabismo ocorre devido a erros refrativos (miopia, hipermetropia, astigmatismo e anisometropia), são chamados de acomodativos e devem ser corrigidos com o uso de óculos. Os estrabismos de causa motora podem ser tratados através de cirurgia. Já os desvios latentes e intermitentes, caso sejam pequenos, podem ser solucionados com exercícios ortópticos. Nos casos que apresentam ambliopia (olho preguiçoso) deve-se antes da cirurgia fazer o tratamento da ambliopia com uso de óculos e tampão, fazendo com que o olho mais desenvolvido não seja usado, forçando o outro a se desenvolver. É um tratamento, entretanto, que precisa ser feito durante a infância, já que neste período o desenvolvimento do corpo ainda não parou. Em alguns casos indica-se o tratamento do estrabismo de forma medicamentosa, tais como utilizando aplicações de toxina botulínica no músculo hiperfuncionante, para enfraquecê-lo.


  • Erros de Refração

    O que é?

    Miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia. Essas condições são chamadas erros de refração, pois alterações no formato dos olhos afetam a maneira como o olho faz a refração, ou seja, direciona a luz para focá-la na retina. Os erros de refração podem ocorrer em níveis baixos, quase sem prejudicar a visão. Porém, quando são em níveis mais altos, podem acarretar outros problemas nos olhos.

    Principais sintomas

    Os principais sintomas dos erros de refração são: diminuição da visão, desconforto nos olhos e, ocasionalmente, dores de cabeça. Esses sintomas normalmente desaparecem com o uso de óculos ou lentes de contato.

    MIOPIA

    Miopia é uma dificuldade de enxergar à distância com clareza. Isso devido ao formato do olho míope, que é mais comprido que o normal, possuindo então uma distância maior entre a frente e o fundo do olho. Desse modo o olho tem dificuldade de focar a luz de objetos distantes na retina. Em alguns casos a miopia pode ser causada por uma modificação no formato da córnea ou do cristalino (a lente dos olhos).
    Miopia é normalmente tratada com óculos de grau ou com lentes de contato. As lentes corretivas não curam ou mesmo revertem a miopia, mas sim, compensam o erro de refração, fazendo então o correto foco para a retina. Há alguns casos em que uma cirurgia ou tratamento a laser podem ser recomendados. Na cirurgia, uma série de pequenas incisões são feitas de forma a modificar o formato da córnea.

    HIPERMETROPIA

    Na hipermetropia o globo ocular é menor do que o normal. Essa diferença de tamanho torna difícil a focalização de objetos próximos de forma clara na retina. É bastante comum a hipermetropia em crianças, e com o crescimento dos olhos a hipermetropia pode desaparecer. Algumas vezes a hipermetropia está associada com o estrabismo, uma vez que os músculos dos olhos têm que se contrair para ver de perto. Sintomas não visuais como dores de cabeça ou falta de interesse em leituras ou no estudo podem ser um aviso de hipermetropia. Grande número de casos de hipermetropia são congênitos. A hipermetropia é corrigida com óculos de grau ou lentes de contato. Em casos de hipermetropia baixa não há a necessidade de lentes corretivas. Apenas aqueles com alto grau, ou no caso de estrabismo precisam de correção.

    ASTIGMATISMO

    Para uma visão não distorcida a córnea deve ser curvada igualmente em todas as direções. Quando um indivíduo tem astigmatismo significa que a sua córnea é mais curvada para uma direção do que para outra. O astigmatismo distorce e torna nublada a visão a qualquer distância. Grande número de casos de astigma-tismo são congênitos, e não se modificam durante a vida. É menor o número de casos de astigmatismo adquirido.
  • Moscas Volantes

    O que é?

    Os pequenos pontos ou manchas escuras que muitas pessoas costumam ver no seu campo de visão são chamados Moscas Volantes. Na verdade, essas manchas são opacificações na gelatina que preenche grande parte do olho, conhecida por vítreo. Embora pareçam estar à frente do olho, as moscas volantes que surgem em nossa visão, principalmente quando olhamos para um campo de cor uniforme como uma parede ou para o céu, estão flutuando internamente no olho e provocam uma sombra na retina, a parte sensível à luz, no fundo do olho.

    Causas

    O surgimento de moscas volantes, tanto em forma de pontos, linhas, círculos ou manchas disformes não é na verdade um problema sério.
    Normalmente é resultado da degeneração, que provoca um encolhimento do vítreo. É também bastante comum em pessoas acima de 40 anos, que têm miopia ou após cirurgia de catarata.

    Cuidados

    Embora não seja grave, moscas volantes devem despertar alguns cuidados se começam a aparecer de repente e com certa frequência. A medida que o vítreo diminui de volume pode puxar a retina provocando uma ruptura.
    Isso poderá levar a um descolamento de retina, o que é bastante perigoso para a visão.
    Por isso, é tão importante a visita periódica no oftalmologista, pois só ele poderá determinar quando sua visão está correndo algum risco. Caso você sinta aumentar o surgimento de moscas volantes procure seu oftalmologista.
  • Olho Seco

    O que é?

    A cada vez que piscamos, nossos olhos são umedecidos por lágrimas fabricadas por uma glândula situada no olho. Algumas pessoas não produzem lágrimas suficientes para manter os olhos molhados. Essa doença é chamada olho seco.

    Causas

    A produção de lágrimas geralmente diminui com a idade. O olho seco pode ocorrer tanto em homens quanto em mulheres, em qualquer idade. Embora, os casos mais frequentes sejam em mulheres, principal-mente após a menopausa. O olho seco está também associado a problemas de artrite e de boca seca.
    Alguns remédios podem também provocar o olho seco. Uma vez que o uso desses medicamentos seja necessário, o efeito colateral do olho seco deve ser tolerado e pode ser tratado com lágrimas artificiais.

    Tratamento

    A substituição das lágrimas naturais por artificiais é a forma mais corriqueira de se tratar o olho seco.
    Lágrimas artificiais são usadas como colírios para lubrificar os olhos. Existem várias marcas de lágrimas artificiais no mercado, e você e seu oftalmologista podem escolher a mais adequada.

    A conservação da produção natural das lágrimas é outra forma de se tratar o olho seco. Após umedecer a superfície do olho, as lágrimas entram por um pequeno furo existente em cada uma das pálpebras, o ponto lacrimal, e são drenadas por um canal, o canalículo, para o saco lacrimal e desce para o ducto naso lacrimal. Esses canais podem ser fechados de forma a criar um reservatório de lágrimas para que os olhos permaneçam úmidos por mais tempo. O oftalmologista é o responsável por essa pequena intervenção, que obstrui o ponto lacrimal.
  • Uveíte

    O que é?

    Inflamação na úvea, uma camada intermediária entre a esclera e retina. A úvea possui muitos vasos, sendo responsável pela nutrição do olho.

    Sintomas e Causas

    A uveíte pode ser provocada por diversos fatores - infecciosos e não infecciosos. A causa pode, inclusive, nem ser determinada. Infecções por vírus, fungos ou parasitas podem desencadear essa inflamação, assim como há associações com doenças sistê-micas, como a artrite ou algum trauma no olho.
    Fotofobia (maior sensibilidade à luz), visão enevoada, dor e olho vermelho são as queixas mais comuns. Um cuidadoso exame ocular, feito por um oftalmologista é de fundamental importância para o diagnóstico precoce. Caso não tratada, a uveíte pode, em alguns casos, levar à cegueira. Também é comum o acompanhamento com exames clínicos quando solicitados pelo seu médico.

    Tratamento

    O tratamento deve ser imediato para evitar maiores complicações. O uso de colírios anti-inflamatórios e dilatadores de pupilas especiais são importantes para reduzir a inflamação. Nos casos mais sérios, medicamentos orais ou injeções podem ser recomendados. Em casos extremos, pode ser necessária uma cirurgia.
  • Glaucoma

    O que é?

    Grupo de doenças que envolvem o aumento da pressão intraocular associada à neuropatia óptica, sendo capazes de causar cegueira, caso não sejam tratadas a tempo. A pressão intraocular elevada é um fator de risco significativo para o desenvolvimento da doença, mas é possível que uma pessoa desenvolva danos no nervo com a pressão intraocular normal.

    Por ser uma doença multifatorial, existem várias causas envolvidas. O mecanismo da doença está relacionado com o desequilíbrio da produção e/ou da drenagem do líquido de dentro do olho chamado humor aquoso.

    Sintomas

    O principal sintoma do glaucoma é a perda do campo de visão periférico (tunelização da visão). Porém, esse sintoma apenas é percebido tardiamente pelo paciente quando o dano irreversível na camada de fibras nervosas da retina já foi instalado. Portanto, a visita regular ao oftalmologista é fundamental na detecção e tratamento precoces.

    Tratamento

    Como é uma doença crônica, não tem cura, mas, na maioria dos casos, pode ser controlada com tratamento adequado e contínuo. Por ser uma doença silenciosa que não causa sintomas, quanto mais precoce for o diagnóstico, maiores serão as chances de se evitar a perda da visão.

    A melhor forma de prevenção é a avaliação periódica com o seu oftalmologista, já que qualquer um pode ter glaucoma, sendo mais comum em pessoas negras, parentes de portadores da doença, idosos, portadores de alta miopia, usuários crônicos de colírios com corticoides e diabéticos.

    Durante a consulta, seu médico avaliará a medida da pressão intraocular e o exame de fundoscopia (fundo de olho). Se houver alguma suspeita da doença, ele solicitará outros exames para melhor investigação, podendo fazer o diagnóstico precoce, antes que haja danos na visão.

    Não há cura para o glaucoma, mas há várias opções de tratamento. O tratamento ideal é aquele que melhor proporcione controle da doença, ou seja, ausência de progressão, e pode ser feito através de colírios, laser ou cirurgias.