Áreas

Áreas

Atualmente, o campo de atuação oftalmológica do HOPE possui uma variedade de opções, atendendo a todos os públicos. Leia abaixo e saiba mais sobre as principais áreas em que nós estamos presentes:

  • Catarata Infantil

    A Catarata é uma opacidade do cristalino (a lente natural do olho) que atrapalha a visão da criança. Ela pode ser congênita, quando o bebê já nasce com ela, ou infantil, quando surge nos primeiros anos de vida. A catarata congênita é a principal causa de cegueira reversível na infância.
  • Uveíte

    O olho é formado por três camadas. A camada mais externa é denominada de esclera (parte branca do olho), a mais interna é a retina, que é sensível à luz e transmite as imagens ao nervo óptico. A camada intermediária é chamada de úvea, tem esse nome por assemelhar-se a um cacho de uvas. A úvea possui muitos vasos, sendo responsável pela nutrição do olho.
  • Blefarite

    Inflamação na linha dos olhos, onde estão os cílios. Nessa região, existem pequenos poros que exalam óleos e transpiração. Quando esses poros ficam obstruídos, devido às infecções ou ao excesso de secreção gordurosa, ocorre a blefarite. Em alguns casos, a doença pode afetar a visão e levar até mesmo à perda dos cílios. O diagnóstico da blefarite pode ser feito por meio do exame de rotina com o oftalmologista.
  • Descolamento de Retina

    O descolamento de retina é um problema sério, que pode ocorrer em qualquer idade. E que, se não tratado, pode provocar cegueira. A maior parte dos casos é provocada por pequenos buracos na retina, que podem ser provocados por uma retração do vitreous, substância gelatinosa que preenche o globo ocular. Retração que pode ocorrer devido ao processo natural de envelhecimento.
  • Miopia

    Miopia é uma dificuldade de enxergar à distância com clareza. Isso devido ao formato do olho míope, que é mais comprido que o normal, possuindo então uma distância maior entre a frente e o fundo do olho. Desse modo, o olho tem dificuldade de focar a luz de objetos distantes na retina. Em alguns casos, a miopia pode ser causada por uma modificação no formato da córnea ou do cristalino (a lente dos olhos). Miopia é normalmente tratada com óculos de grau ou com lentes de contato. As lentes corretivas não curam ou mesmo revertem a miopia, mas compensam o erro de refração, fazendo então o correto foco para a retina. Há alguns casos em que uma cirurgia ou um tratamento a laser podem ser recomendados. Na cirurgia, uma série de pequenas incisões são feitas de forma a modificar o formato da córnea.
  • Hipermetropia

    Na hipermetropia, o globo ocular é menor do que o normal. Essa diferença de tamanho torna difícil a focalização de objetos próximos de forma clara na retina. É bastante comum a hipermetropia em crianças e com o crescimento dos olhos, a hipermetropia pode desaparecer. Algumas vezes a hipermetropia está associada com o estrabismo, uma vez que os músculos dos olhos têm que se contrair para ver de perto. Sintomas não visuais como dores de cabeça ou falta de interesse em leituras ou no estudo podem ser um aviso de hipermetropia. Grande número de casos de hipermetropia são congênitos. A hipermetropia é corrigida com óculos de grau ou lentes de contato. Em casos de hipermetropia baixa não há a necessidade de lentes corretivas, apenas aqueles com alto grau. Ou, no caso de estrabismo, precisam de correção.
  • Astigmatismo

    Para uma visão não distorcida, a córnea deve ser curvada igualmente em todas as direções. Quando um indivíduo tem astigmatismo, significa que a sua córnea é mais curvada para uma direção do que para outra. O astigmatismo distorce e torna nublada a visão a qualquer distância. Grande número de casos de astigmatismo são congênitos e não se modificam durante a vida. É menor o número de casos de astigmatismo adquirido.
  • Estrabismo

    O estrabismo acontece quando há perda do paralelismo entre os olhos. Os estrábicos podem apresentar desvios convergentes (desvio para dentro), divergentes (desvio para fora) ou verticais (um olho fica mais alto ou mais baixo do que o outro). O problema pode se apresentar constante, intermitente ou latente. O primeiro tipo acontece quando o desvio dos olhos é permanentemente observado. Neste caso, os desvios podem ser monoculares (quando é sempre o mesmo olho que desvia) ou alternante (quando os olhos alternam-se no desvio). A forma intermitente é quando os olhos ora estão alinhados ora desviados. A latente só é verificada quando os pacientes estão cansados ou durante a realização de testes em exames de motilidade ocular.
  • Glaucoma

    Glaucoma é uma doença que pode afetar crianças ou adultos. Segundo a Organização Mundial da Saúde, é a primeira causa de cegueira irreversível no mundo e a segunda principal causa de cegueira, sendo superada apenas pela catarata. O Glaucoma causa alterações no nervo óptico afetando a visão em graus variáveis de deficiência visual de leve a até mesmo a cegueira, comprometendo também o campo visual. Nos estágios iniciais da doença, é comum que não estejam presentes os sintomas, podendo haver progressão da doença e deficiência visual sem que o paciente perceba.
  • Lentes de Contato

    Elas representam um verdadeiro símbolo de liberdade para quem precisa usar óculos de grau. Por diminuir o aporte de oxigênio para a córnea, as lentes de contato podem ou não trazer complicações a curto ou longo prazo. Materiais mais seguros e mais confortáveis, além de novos sistemas de manutenção, têm tornado o seu uso cada vez mais prático. Para que haja a manutenção dessa segurança é fundamental o acompanhamento médico.
  • Moscas Volantes

    Os pequenos pontos ou manchas escuras que muitas pessoas costumam ver no seu campo de visão são chamados moscas volantes. Na verdade, essas manchas são opacificações na gelatina que preenche grande parte do olho, conhecida por vítreo. Embora pareçam estar à frente do olho, as moscas volantes que surgem em nossa visão, principalmente quando olhamos para um campo de cor uniforme como uma parede ou para o céu, estão flutuando internamente no olho e provocam uma sombra na retina, a parte sensível à luz no fundo do olho.
  • Olhos Secos

    A cada vez que piscamos, nossos olhos são umedecidos por lágrimas fabricadas por uma glândula situada no olho. Algumas pessoas não produzem lágrimas suficientes para manter os olhos molhados. Essa doença é chamada olho seco.
  • Transplante de Córnea

    A córnea é a parte mais anterior do olho. É transparente e permite a visualização da íris (a parte colorida dos olhos). A luz passa pela córnea e chega à lente do olho (cristalino). Juntas, a córnea e o cristalino focam a luz na retina. Através do nervo ótico a imagem é passada para o cérebro que interpreta a visão. A córnea é como se fosse a janela dos olhos. Se uma janela está quebrada, suja ou coberta, a luz não pode passar e o ambiente fica escuro. Assim também é a córnea. Se há algo de errado com ela, a luz não pode passar e nós não podemos enxergar.